Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Anemia hemolítica autoimune fulminante: relato de caso

Fundamentação/Introdução

Anemia hemolítica autoimune (AHAI) consiste em auto anticorpos que se ligam aos eritrócitos diminuindo sua sobrevida. São classificadas pelos anticorpos, quentes ou frios, e pela etiologia, primária (a anemia hemolítica é o único achado clínico) ou secundária (anemia como manifestação de doença sistêmica). O diagnóstico inclui teste de coombs direto (TCD) positivo, com exceção de 5 a 10% dos pacientes que pode ser negativo, e hemólise.

Objetivos

Relatar um caso de AHAI fulminante, ressaltando os diagnósticos diferenciais e suas manifestações.

Delineamento/Métodos

Estudo de caso de SCB, 35 anos, mulher, diabética, admitida com dor torácica, dispnéia, icterícia, anemia grave com necessidade de hemotransfusão, leucocitose 41100, hemoglobinúria e glicosúria. Foi confirmado AHAI por aumento do DHL, reticulócitos e bilirrubina indireta e baixa haptaglobina, mesmo com TCD negativo. Visto condensação pulmonar direita e atelectasias à tomografia, iniciado tratamento para pneumonia. Outros achados incluiam atrito pericárdico, síndrome nefrótica com proteinúria maciça e função renal normal e hepatomegalia. Descartado Lupus por falta de critérios e marcadores laboratoriais como FAN, anti-DNA nativo e antiSM negativos. Sorologias para HIV e hepatites negativas e TSH normal. Sorologias para Epstein Barr e CMV, dosagem de anti-IgG e IgM e biópsia renal foram solicitados, porém indisponíveis no serviço. Biópsia de medula óssea sem alterações. No 15º dia de internação evoluiu com piora clínica, uremia aguda, acidose metabólica grave, lactatemia e hipotensão culminando em duas paradas cardiorrespiratória revertidas e óbito na terceira.

Resultados

As anemias hemolíticas correspondem a 17,5% de todas as anemias, e no Brasil em 2015 foi responsável por 161 óbitos. 20% das AHAI secundárias relacionam com doenças linfoproliferativas, 5% com colagenoses, 8% com infecções pelo Mycoplasma pneumoniae (Mp), além das infecções virais e induzida por fármacos. A presença de pneumonia associado às alterações hematológicas da paciente, torna a infecção pelo Mp a principal hipótese diagnóstica, visto que as demais causas foram descartadas. Devido evolução rápida e fulminante não foi possível dosagem de crioaglutininas e cultura para Mp.

Conclusões/Considerações finais

As AHAI incluem uma vasta sintomatologia a depender da causa base, sendo uma doença grave com possibilidade de evolução fulminante. Um rápido diagnóstico e uma intervenção precoce garantem o melhor prognóstico para o paciente.

Palavras Chaves

Anemia hemolítica autoimune; infecção por Mycoplasma; anemia fulminante.

Área

Clínica Médica

Instituições

Faculdade Atenas - Minas Gerais - Brasil

Autores

Bruna Alves Nunes, Sara Nunes de Brito, Anna Luisa Oliveira Garcia, Dayane Quintino Vasconcelos, Estevão Tavares de Figueiredo


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017