Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DE COINFECÇÃO LEISHMANIOSE VISCERAL AMERICANA E HIV: REALIZAÇÃO DE TRIAGEM DE HIV EM PACIENTES COM SINTOMAS DE LEISHMANIOSE

Fundamentação/Introdução

Tratando-se de paciente portador do vírus HIV a leishmaniose visceral americana (LVA) torna-se ainda mais perigosa, pois ambas as doenças cursam com imunossupressão, agravando o quadro clínico. Sua transmissão é predominantemente pelo vetor Lutzomyia longipalpis,no chamado ciclo natural (NEVES, 2016); contudo, segundo a Fiocruz, têm-se uma urbanização da leishmaniose e uma ruralização do HIV, essa tendência decorre, principalmente, do crescente e potencial uso de drogas injetáveis, que pode transmitir a LVA.

Objetivos

Análise epidemiológica dos casos de LVA em coinfecção com HIV no Brasil.

Delineamento/Métodos

Trata-se de um estudo ecológico analítico, cujos dados foram coletados no DATASUS. Em seguida, foi realizada análise estatística, utilizando o programa SPSS, mediante teste T de student.

Resultados

No período de 2007 a 2015, foram registrados 33.488 casos de leishmaniose visceral, sendo que 22.042 (65,82%) não apresentavam HIV, 2.231(6,66%) possuíam e 9.215(27,51%) não tiveram averiguação. Foram registrados 21.154 casos em homens (63,2%), sendo 1.724 com associação ao HIV (77,27% dos casos totais de LVA com HIV). A raça mais afetada foram os pardos com 22.214 (66,33%). A faixa etária com maior número de LVA é 01-10 anos com 15.525 (46,36% do total de casos), sendo a de maior coinfecção dos 20-59 anos com 1.930 (86,50%). Observa-se que os estados com maior quantidade de casos sem averiguação de HIV foram: Pará (47,41%), Alagoas (39,74%), Amazonas (41,66%) e Bahia (41,64%). Nota-se, ainda, aumento na proporção da coinfecção de 2007-2011(5,1%) para 2012-2015(8,7%(p=0,002)). Taxa de mortalidade para não infectados com HIV foi 5,93% e 9,05% em infectados (p=0,002). Taxa de mortalidade do grupo sem averiguação foi 6,72%, relativamente maior, se comparado com o grupo sem HIV (5,93% (p=0,059)).

Conclusões/Considerações finais

Foi observado no grupo de HIV maior incidência em sexo masculino (77,27%) e em faixa etária adulta (86,5%) se tratando, assim, de grupos de risco. Houve maior mortalidade na associação das duas doenças, assim sendo, uma menor taxa de cura que, muitas vezes, sofre recidiva de 90% (SOUSA GOMES, 2011). Nota-se, ainda, maior mortalidade no grupo em que não houve averiguação de HIV, em relação ao grupo que não possui, associando-se, possivelmente, a casos do mesmo não detectado. Dessa forma, vê-se a importância de realizar a triagem de HIV em paciente com sintomatologia de LVA e maior prevenção de sua transmissão.

Palavras Chaves

Leishmaniose visceral; HIV; Coinfecção, Epidemiologia.

Área

Clínica Médica

Instituições

Universidade Federal de Alagoas - Alagoas - Brasil

Autores

Marcos Roberto Campos Junior, Brenda Evelyn Cirilo Felix, Paula Estevam Pedrosa Toledo, Martha Alves Mendonça, Débora Cristina Silva Batista


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017