Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ANÁLISE RETROSPECTIVA DAS CARDIOVERSÕES ELÉTRICAS DE PACIENTES COM FIBRILAÇÃO ATRIAL REALIZADAS ELETIVAMENTE PELO AMBULATÓRIO DE ARRITMIA DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE/MG

Fundamentação/Introdução

A Fibrilação Atrial (FA) é um importante problema na saúde pública. Consiste na arritmia mais frequente encontrada na prática clínica, e sua prevalência sofre influência da idade e do sexo, sendo mais comum em mulheres idosas.

Objetivos

O Objetivo deste trabalho é mostrar a importância da anticoagulação em pacientes com FA , vizando reduzir eventos cardioembólicos e Acidente Vascular Encefálico (AVE); e ressaltar que o tamanho do átrio esquerdo (AE) e a fração de ejeção (FE), são relevantes para o sucesso de uma cardioversão elétrica (CVE).

Delineamento/Métodos

Estudo retrospectivo, onde pacientes do SUS, residentes em Belo Horizonte, portadores de FA, são encaminhados para o ambulatório de arritmia da prefeitura do município, para avaliarem a indicação de CVE. Desses foram estudados 40 pacientes que se submeteram a CVE no período de 2011 a 2016. Os dados analisados foram: CHA2DS2-VASC; tamanho do AE; FE; o sucesso no procedimento; o número de pacientes anticoagulados corretamente; quantos usaram Warfarin e quantos usaram os novos anticoagulantes (NOACS); a presença de AVE ou outros eventos tromboembólicos pós CVE.

Resultados

Todos os pacientes estavam corretamente anticoagulados, 90% com uso do Warfarin e 10% com os NOACS. Aqueles com CHA2DS2-VASC, maior ou igual a 2, permaneceram anticoagulados, mesmo quatro semanas pós CVE. Nenhum evoluiu com fenômeno cardioembólico no período avaliado. Em relação ao procedimento, mais da metade dos pacientes obtiveram sucesso imediato e mantiveram ritmo sinusal durante todo o período avaliado, e desses alguns retornaram a ritmo de FA. Aqueles com sucesso na CVE tinham um AE médio de 43,8 e uma FE média de 58,14%.

Conclusões/Considerações finais

Eventos tromboembólicos podem ocorrer em 1% a 7% dos pacientes submetidos a CVE sem anticoagulação. O escore mais completo e utilizado em pacientes com FA é o CHA2DS2-VASC e de acordo com sua pontuação o paciente é classificado em muito baixo, baixo e alto risco para tais eventos, norteando a necessidade de anticoagulação. O trabalho mostrou que pacientes com FA que foram submetidos a CVE e corretamente anticoagulados não apresentaram nenhum evento cardioembólico. Os achados desse estudo chamam atenção para a importância de uma avaliação do tamanho do AE e da FE para prever a chance de sucesso da CVE, visto que quanto maior o átrio e menor a FE, menor a chance de sucesso na CVE.

Palavras Chaves

Fibrilação Atrial, Cardioversão elétrica; Arritmia; Anticoagulação

Área

Clínica Médica

Instituições

Hospital Vera Cruz - Minas Gerais - Brasil

Autores

Rafaela Santos Garcia, Daniela Almeida Alves, Camila Lopes Zica, Amanda Alcantara Cunha Reis, Geraldo Magela Alvarenga Júnior


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017