Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

A AUTOMEDICAÇÃO EM ACADÊMICOS DE MEDICINA NO NOROESTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

Fundamentação/Introdução

O ato de utilizar medicamentos sem prescrição médica, automedicação, é um comportamento frequente em acadêmicos de medicina, o qual é visto como autoconfiança, fortalecida principalmente pelo conhecimento adquirido durante o decorrer da graduação. Ainda que esta prática possa ter resultados favoráveis (melhora de sintomas ou resolução do problema de saúde), existe a possibilidade de trazer prejuízos à saúde do indivíduo, tais como mascaramento dos problemas de saúde, intoxicação, reações adversas, interações medicamentosas, desenvolvimento de resistência entre outros.

Objetivos

Determinar a incidência da automedicação em estudantes do curso de Medicina, evidenciando suas principais causas, principais grupos de medicamentos utilizados nesta conduta e por fim, as consequências do seu uso irracional.

Delineamento/Métodos

O presente estudo é transversal, de análise quantitativa e não probabilística. Foi realizado através de pesquisa de campo por meio de um questionário sistemático, em uma universidade no noroeste do estado do Espírito Santo, com o propósito de envolver todos os períodos correspondentes ao curso de medicina. Para a conciliação de resultados foi utilizado o teste qui-quadrado e executado no software Minitab® versão 18 e Microsoft Excel 2010.

Resultados

Verifica-se aumento na frequência de automedicação entre alunos do 1º e 2º ano com os alunos do 3º e 4º ano, sendo 44,57% e 71,42% respectivamente, sendo p = 0,001. O 43,15% da população de pesquisa são do sexo feminino e se automedicam p= 0,014. 36,3% dos alunos que se automedicam, indicariam o medicamento em uso para outrem (p= 0,012), sendo que a classe de fármaco mais citada foi analgésicos (52,05%) seguida pelos antiinflamatórios (17,81%) e antiácidos (6,85%). O uso de antipsicóticos, psicoestimulantes e ansiolíticos somaram 6,85% das recomendações. 51% das pessoas que se dizem realizar a automedicação continuariam a prática. A prática do uso irregular de fármacos com álcool e/ou tabaco e/ou outras drogas ilícitas revelam porcentagem de 28,32%. Embora a epidemiologia do estudo demonstre altas taxas de automedicação, referente a população global, 96,58% tem consciência dos riscos à saúde pela prática da ação em estudo.

Conclusões/Considerações finais

Concluímos que a prevalência da automedicação em acadêmicos de medicina no noroeste do Espírito Santo é equiparada a índices nacionais (altas taxas regionais da prática de consumo desregulado de fármacos), com predominância entre os acadêmicos do sexo feminino, principalmente em discentes do 3º e 4º ano do curso.

Palavras Chaves

Automedicação; Acadêmico de medicina; Abuso de medicação;

Área

Clínica Médica

Instituições

Centro Universitário do Espírito Santo - Espirito Santo - Brasil

Autores

Lucas Grobério Moulim de Moraes, Luiza Seidel Dala Bernardina, Letícia Rego Dalvi, Luciano Castiglioni Andriatto, Yolanda Christina de Sousa Loyola


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM
SENIOR VILLAGE

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017