Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Análise Comparativa entre um serviço de Assistência Médica Ambulatorial (AMA) 24 horas, uma AMA 12 horas e uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), quanto ao perfil de atendimento.

Fundamentação/Introdução

As Assistências Médicas Ambulatoriais (AMA) e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) são unidades de saúde que fazem atendimento por procura espontânea. As AMAs nas especialidades de clínica médica e pediatria e a UPA também em ortopedia e cirurgia.

Objetivos

Comparar o perfil epidemiológico e de morbidade de uma UPA, uma AMA 24 horas (AMA 24h) e uma AMA 12 horas (AMA 12h), localizadas na região sul da cidade de São Paulo.

Delineamento/Métodos

Análise descritiva de 93.150 atendimentos realizados no período de janeiro a abril de 2017 (18.514 AMA 12h, 27.828 AMA 24h e 46.808 UPA) na Clínica médica e Pediatria. Fonte: Sistema de Prontuário Eletrônico da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (SIGA-PEP). O critério para inclusão dos atendimentos foi o registro, em prontuário eletrônico, da classificação de risco e diagnóstico principal.

Resultados

A maior procura foi de pacientes do sexo feminino em todas as unidades: 53,6% UPA, 55,5% AMA 24h e 59,6% AMA 12h. Quanto à faixa etária, observamos maior atendimento de crianças e adolescentes: 49,9% AMA 24h, 40,9% AMA 12h e 33,0% UPA. Na idade adulta prevalece a faixa etária de 20 a 39 anos em todas as unidades: 20,1% AMA 12h, 31,5% AMA 24h e 31,1% UPA. Já os idosos consultam mais na AMA 12h: 24,8% AMA 12h, 9,5% AMA 24h e 17,4% UPA. As Unidades utilizam para classificação de risco o protocolo de Manchester com 5 graus de prioridade de atendimento. A proporção de casos considerados de urgência e emergência foi de 37,5% UPA, 25,6% AMA 24h e 15,5% AMA 12h. As principais causas de procura para atendimento médico, de acordo com o Código Internacional de Doenças (CID 10), foram as do grupo de Doenças do aparelho respiratório, Doenças do sistema osteomuscular, Sintomas e sinais anormais e Causas externas, em todas as unidades. Na UPA prevaleceram as Causas externas (22,3%) e Sintomas e sinais anormais (20,0%), enquanto nas AMAs prevaleceram Sintomas e sinais anormais (26,1% AMA 24h e 22,0% AMA 12h) e Doenças do aparelho respiratório (25,3% AMA 24h e 28,1% AMA 12h).

Conclusões/Considerações finais

Não foram observadas diferenças significativas no perfil epidemiológico dos pacientes atendidos nas unidades analisadas. Entretanto, observa-se proporção maior de casos de urgência e emergência na UPA. A AMA 24 horas tem um perfil de gravidade intermediário entre a UPA e a AMA 12 horas. De acordo com o desenho da rede de Atenção Básica (ABS)/ Urgências e Emergências do Município (RUE), a AMA 24h tem potencial de inclusão na RUE, enquanto a AMA 12h se adequa melhor à rede de ABS.

Palavras Chaves

Pronto atendimento, AMA, Assistência Médica Ambulatorial, UPA, Unidade de pronto atendimento, Perfil de atendimento, Morbidade, Estudo descritivo.

Área

Clínica Médica

Instituições

Autores

JIMENA EVA BARRIVIERA DE TORRE, ANA MARIA TRUFELLI, CHEILA PORTELA SILVA


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017