Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

A Capacidade de Tomada de Decisão em Idosos com Câncer: Importância da Avaliação Cognitiva e o Respeito à Autonomia

Fundamentação/Introdução

O envelhecimento populacional reforça a importância do respeito à autonomia da população idosa nas relações médico e paciente. O câncer atualmente é parte do fenômeno do envelhecer e as alterações cognitivas também são assim consideradas. O idoso, nesse contexto, muitas vezes é privado da oportunidade de escolher ou mesmo ter o real controle sobre a sua saúde. Uma maior compreensão da cognição e níveis de fragilidade dos idosos é essencial para que melhores condutas sejam adotadas.

Objetivos

O presente estudo objetiva identificar a incidência de idosos com alterações da cognição e/ou fragilidade entre aqueles submetidos a cirurgias oncológicas e, assim, propor uma discussão sobre o impacto na sua capacidade de tomada de decisão.

Delineamento/Métodos

Foram coletados dados de 100 idosos submetidos a procedimentos cirúrgicos eletivos entre junho e novembro de 2016. Através da aplicação dos instrumentos Groningen Frailty Indicator (GFI) e Montreal Cognitive Assessment (MoCA), buscou-se avaliar a frequência de idosos frágeis e/ou com déficits cognitivos, cuja capacidade de tomada de decisão possa estar comprometida. De maneira complementar foi aplicado também um questionário contendo quatro perguntas objetivas para o conhecimento do processo de tomada de decisão

Resultados

Entre os 100 pacientes avaliados, 49% foram considerados frágeis. Entre os idosos frágeis, 47 (95,9%) apresentaram MoCA alterado. Dentre os idosos não frágeis, 48 (94,1%) apresentaram MoCA alterado. Apenas 1 paciente soube explicar o que são diretivas antecipadas de vontade e 16% dos pacientes desconheciam o motivo da sua internação ou da sua cirurgia. Outros 10% afirmaram ter sido convencidos pelos familiares e/ou médicos a realizarem a cirurgia que anteriormente se negaram a fazer.

Conclusões/Considerações finais

Com o envelhecimento da população, é previsto que o número de idosos com câncer e déficits cognitivos também aumente. O maior desafio a ser enfrentado pelos médicos será encontrar o caminho ideal para tratar e lidar com essas condições coexistindo. Tomada de decisões e intervenções, por fim, serão facilitadas pela identificação precoce de disfunções cognitivas, buscando um compartilhamento de escolhas entre médicos e pacientes. A alta prevalência de idosos frágeis e o baixo nível de escolaridade podem influenciar na capacidade de tomada de decisão dos pacientes idosos. Compreender as maneiras em que o câncer, a fragilidade e a cognição impactam na qualidade de vida da população idosa é essencial.

Palavras Chaves

autonomia; câncer; capacidade de tomada de decisão; cognição; fragilidade; idoso

Área

Clínica Médica

Instituições

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE BARRETOS DR. PAULO PRATA - Sao Paulo - Brasil, FUNDAÇÃO PIO XII - HOSPITAL DE CÂNCER DE BARRETOS - Sao Paulo - Brasil

Autores

RODRIGO ALVES DOS SANTOS, FLAVIA VIEIRA REZENDE, BIANCA PAES, FABIO MARCELO SILVA VALVERDE, RICARDO FILIPE ALVES COSTA


Fechar

Promoção

SBCM

Realização

SBCM MG
ABRAMURGEM

Patrocínio Ouro

UNIFENAS

Patrocínio Prata

Unimed - BH

Patrocínio Bronze

CUREM

Apoio

IPSEMG
TAKEDA

Agência de Turismo

Belvitur

Organização

Attitude Promo

Agência Web

Sistema de Gerenciamento desenvolvido por Inteligência Web

14º Congresso Brasileiro de Clínica Médica e 4º Congresso Internacional de Medicina de Urgência de Emergência

MINASCENTRO - Belo Horizonte/MG | 04 a 06 de Outubro de 2017